Obrigações Fiscais ao Importar da China: O Que Você Precisa Saber

Pessoa fazendo contas com papéis em cima de uma mesa.

A importação de produtos da China pode ser uma excelente estratégia para aumentar a margem de lucro do seu negócio, mas é crucial estar atento às obrigações fiscais envolvidas nesse processo. Conhecer as exigências legais e fiscais pode evitar problemas e garantir que sua importação ocorra de maneira tranquila e sem contratempos. Vamos explorar os principais aspectos que todo importador deve considerar.

1. RADAR Siscomex

Antes de iniciar qualquer processo de importação, é fundamental que sua empresa esteja habilitada no RADAR Siscomex. Essa habilitação permite que você opere no sistema de comércio exterior do Brasil. Sem o RADAR, você não poderá realizar operações de câmbio nem efetuar a Declaração de Importação, que é necessária para o desembaraço de sua carga.

O RADAR é classificado de acordo com a capacidade financeira da empresa:

  • Limitado a $50 mil dólares a cada seis meses
  • Limitado a $150 mil dólares a cada seis meses
  • Ilimitado

A Receita Federal analisará a capacidade financeira da sua empresa para determinar a sua capacidade de importação anual.

2. Classificação Fiscal – NCM

    Outro ponto crucial é a correta classificação fiscal do seu produto, determinada pela NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul). A NCM é um código de oito dígitos que identifica e categoriza produtos, influenciando diretamente na tributação e nos tratamentos administrativos aplicáveis. É fundamental conhecer bem o seu produto para classificá-lo corretamente e evitar surpresas no desembaraço.

    A NCM determinará:

    • Alíquotas de impostos
    • Necessidade de anuência por órgãos reguladores (como Anvisa ou Inmetro)

    3. Impostos na Importação

      Ao importar, é essencial calcular corretamente todos os impostos envolvidos para evitar surpresas financeiras. Os principais impostos na importação incluem:

      • Imposto de Importação (II)
      • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
      • PIS/COFINS (Contribuições Sociais)
      • ICMS (imposto estadual)

      As alíquotas desses impostos variam conforme a NCM do produto e a alíquota interna do estado de destino. Planeje-se financeiramente para cobrir todos esses custos, considerando também variações cambiais.

      4. Desembaraço Aduaneiro

        O processo de desembaraço aduaneiro requer planejamento cuidadoso para evitar custos adicionais, como armazenagem. Tenha em mãos todos os documentos necessários, incluindo:

        • Commercial Invoice
        • Packing List
        • Conhecimento de Embarque (BL ou AWB)

        Além disso, esteja preparado financeiramente para pagar todos os custos assim que sua carga chegar ao porto, evitando atrasos e custos extras.

        5. Fechamento de Câmbio

        Realizar pagamentos internacionais é uma etapa importante na importação. Recomenda-se estar cadastrado em uma corretora de câmbio ou banco autorizado pelo Banco Central para realizar essas operações. Antecipar essa etapa pode agilizar o processo e garantir que você não perca oportunidades de negócio.

        A importação da China pode envolver muitas burocracias, por isso, é importante ter um parceiro especializado ao seu lado. A China Link é líder em soluções de importação no mercado brasileiro e possui um time com mais de 15 anos de experiência em mercado Chinês.

        Se você quer iniciar o seu projeto de forma simplificada e sem dor de cabeça, clique no botão abaixo!

        Compartilhe nas redes sociais:

        Comente o que achou deste post: